Disparidade de Riqueza

O capitalismo, especialmente na sua forma actual de capitalismo corporativo, facilita a concentração de riqueza por indivíduos poderosos e entidades empresariais. Devido à herança, à tributação ineficaz ou regressiva sobre a riqueza, aos salários precários, e a diferentes formas de exploração económica e social, os ricos têm vindo a ganhar maior controlo sobre o capital e sobre a riqueza, resultando em crescentes disparidades de riqueza. De acordo com os analistas do Crédito Suiço, uma instituição financeira global, os mais ricos (1%) possuem agora mais de metade de toda a riqueza familiar.

Para criar uma maior equidade económica que aumentará o acesso de todos a rendimentos decentes e a padrões de vida mais elevados, PROUT propõe um limite para a acumulação de riqueza. Isso seria um tecto para a riqueza, a ser determinado, colectivamente, pela sociedade (e provavelmente imposto pelo governo) e variaria ao longo do tempo, de acordo com as necessidades e possibilidades de cada sociedade. Esse limite superior da riqueza seria estabelecido alto o suficiente para que os indivíduos altamente produtivos pudessem adquirir comodidades adequadas, mas não tão altas ao ponto de inibir o desenvolvimento da economia por meio da acumulação de grandes quantidades de riqueza. Também ajudaria as pessoas ricas a desviar as suas energias da acumulação de riquezas para o desenvolvimento das suas potencialidades intelectuais, artísticas e espirituais.

About the author

Tags